Ação do vento em estruturas para painéis fotovoltaicos

Durante a idealização de um projeto de geração de energia solar fotovoltaica, faz-se necessária a análise do terreno, telhado, relevo e edificações próximas, contribuindo assim para o levantamento do potencial de geração do local, considerando o possível sombreamento e área disponível para fixação dos painéis, normalmente instalados em estruturas fixadas no solo, laje ou em telhados.

Em ambos os locais de instalação, a ação do vento irá gerar solicitações mecânicas aos componentes das estruturas de fixação dos painéis fotovoltaicos, e é fundamental compreender alguns conceitos para a correta instalação do sistema.

A NBR 6123 estabelece procedimentos de ensaios e cálculos das forças de vento atuantes em edificações de formato comum, ou seja, os estudos que envolverem edificações de formato anormal requerem estudos especiais, através de profissionais de notório conhecimento técnico do assunto.

O Brasil é dividido pela norma em diferentes regiões de vento, de acordo com as respectivas velocidades básicas de vento, sendo elas por definição: “velocidade de uma rajada de 3 s, excedida na média uma vez em 50 anos, a 10 metros acima do terreno, em campo aberto e plano”. Como resultado desses dados, foi estabelecida a isopleta de vento de acordo com a região:

Para a determinação do distanciamento dos fixadores de painéis fotovoltaicos, além da velocidade básica de vento, existem outras variáveis, destacando-se:

          – Topografia: de acordo com a exposição ou proteção da edificação por conta do relevo, esse fator influenciará aumentando ou reduzindo o vento incidente, sendo as cristas e picos considerados como mais expostos, enquanto vales são mais protegidos.

          – Coeficiente de pressão: é o balanço entre a tração positiva (compressão) e negativa (arrancamento). A angulação dos painéis FV interferem nesse balanço: quanto maior a angulação (latitudes mais ao sul), maior é a ação do vento nos painéis.

– Fator de rugosidade:  trata-se da característica da paisagem que gera maior ou menor interferência nos ventos, como campos abertos sem vegetação ou regiões centrais de metrópoles, divididas em 5 categorias.

Ao desenvolver seus produtos, a Solar Group relaciona as variáveis acima através dos cálculos indicados pela NBR 6123, considerando números conservadores, ou seja, condições em que os ventos seriam mais rigorosos. Além disso, testes através de softwares e/ou ensaios em túnel de vento são realizados.

 

Ensaio de estrutura da Solar Group em túnel de vento

 

Após aplicadas as metodologias acima descritas, são confeccionados os manuais de instalação com as orientações sobre distanciamentos x regiões.

Esses cuidados técnicos durante o desenvolvimento do produto vinculados ao eficiente controle de qualidade da produção viabilizam a garantia de 12 anos para todas as soluções, e tornaram a Solar Group uma referência no mercado de estruturas para painéis fotovoltaicos.

Artigos relacionados

Cuidados com os Efeitos Nocivos do Sol aos Trabalhadores que Atuam em Instalações Externas

Na exposição ideal o sol é um dos grandes responsáveis por estimular a produção de vitamina D no organismo. Além disso, também contribui para a regulação do humor, manejo do estresse, melhoria do sono, redução da pressão arterial e eliminação de alguns tipos de fungos, bactérias e ácaros. O problema ocorre quando há excesso de…

Ver Mais

Estruturas de Solo para Sistemas Fotovoltaicos – conheça as vantagens de cada uma delas

Os sistemas fotovoltaicos estão se tornando cada vez mais populares devido à sua capacidade de gerar energia limpa e sustentável. Uma parte crucial desses sistemas é a escolha da estrutura de fixação, que pode ser instalada no solo. Neste blog, vamos explorar as vantagens das estruturas de solo para sistemas fotovoltaicos, tanto on-grid quanto off-grid.…

Ver Mais

Por que a Energia Limpa e acessível é tão importante para o Brasil?

O Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 deste mês de junho, foi criado exatamente para levar as pessoas a refletirem sobre a relação da humanidade com o planeta. Em 2023, as fontes limpas cresceram 50% em todo o mundo, segundo relatório da Standard & Poor’s Global Commodity Insights   O Brasil é…

Ver Mais

Entenda o que muda no Mercado Livre de Energia

Solução concorre com a instalação de energia solar fotovoltaica em alguns setores e a complementa em outros. Ganha impulso este ano com portaria que autoriza a participação de empresas com consumos inferiores a 500 quilowatts (kW). O Mercado Livre de Energia é o termo popular para o chamado Ambiente de Contratação Livre (ACL), onde fornecedores e…

Ver Mais