Energia fotovoltaica residencial “na ponta do lápis” é possível?

A expressão “na ponta do lápis” pode ser coisa do passado, mas a sua função continua muito atual. Acompanhe a simulação que fizemos para contratação de um sistema de energia fotovoltaica residencial de 4 kWp.

Na hora de dimensionar um sistema de energia fotovoltaica residencial os integradores costumam fazer cálculos precisos, baseados na conta de energia elétrica de cada interessado. Esse tem sido um argumento de vendas poderoso já que permite, na maioria dos casos, mostrar ao consumidor interessado em ingressar na Geração Distribuída, as vantagens da Energia Fotovoltaica na “ponta do lápis”, usando-se essa expressão tradicional.

Energia fotovoltaica residencial

Um estudo realizado recentemente pela Greener, empresa de consultoria e fornecimento de informações estratégicas para o setor fotovoltaico, revelou que boa parte dos investimentos em novos sistemas fotovoltaicos para residências, em 2023, focou em instalações com até 4 kWp de capacidade. A consultoria apontou, também, que o custo médio no Brasil para instalação dessa solução ficou em R$ 12.680,00 neste primeiro semestre de 2024. Uma redução significativa ante os mais de R$ 17 mil cobrados, em média, em 2022.

A partir dessa informação básica, fizemos um levantamento com base em um caso real de um consumidor, instalado em uma cidade distante 120 km da capital paulista, com um sistema residencial de 4 kWp. Considerando as condições da região e do consumo da residência analisadas, a conta de luz deste consumidor caiu de R$ 400,00 para R$ 70,00, após a instalação do sistema.

Retorno do investimento (pay-back) e economia total

E quanto tempo será preciso para que o consumidor, do nosso exemplo, possa reaver o investimento feito? Para calcular o tempo necessário para o chamado payback, precisamos lembrar que ele terá economia na conta de luz durante 25 anos, tempo indicado pelos fabricantes de paineis solares para que os equipamentos permaneçam gerando com a máxima eficiência. Isto posto, para se chegar ao tempo de retorno, será preciso acompanhar os seguintes passos:

  1. Calcular a economia mensal de energia: Subtraindo o valor da conta de energia elétrica após a instalação do sistema do valor anterior.

Economia mensal = Valor anterior da conta – Novo valor da conta = R$ 400,00 – R$ 70,00 = R$ 330,00

  1. Calcular o tempo para recuperar o investimento inicial: Dividindo o investimento inicial pelo valor da economia mensal.

Tempo de retorno do investimento = Investimento inicial / Economia mensal = R$ 12.680,00 / R$ 330,00. Resultando em 39 meses ou três anos e três meses.

  1. Calcular a economia total ao longo dos 25 anos: Multiplicando a economia mensal pelo número de meses em 25 anos.

Economia total em 25 anos = Economia mensal * Número de meses em 25 anos = R$ 330,00 * 25 * 12 = R$ 99.000,00 de economia total.

Economia líquida

Portanto, o investidor, neste exemplo, irá recuperar o investimento inicial em aproximadamente 38 meses (pouco mais de 3 anos) e economizará um total de R$ 99.000,00 ao longo dos 25 anos de vida útil do sistema de energia solar.

Para calcular a economia líquida ao longo dos 25 anos, subtraímos o investimento inicial do total economizado:

Economia líquida = Economia total em 25 anos – Investimento inicial = R$ 99.000,00 – R$ 12.680,00 = R$ 86.320,00

Portanto, a economia líquida ao longo dos 25 anos será de R$ 86.320,00 para tal investidor.

Energia solar x Aplicações de Renda Fixa

É comum o consumidor questionar se não teria valido mais a pena manter o dinheiro que seria investido em um sistema de energia solar, aplicado no banco em uma aplicação de Renda Fixa, por exemplo. Nós fizemos a simulação.

Neste primeiro semestre de 2024 no Brasil, as aplicações de renda fixa mais comuns e populares incluem:

  1. Tesouro Direto: Títulos públicos emitidos pelo governo federal. As taxas de rendimento variam de acordo com o tipo de título e o prazo de vencimento. No entanto, em geral, os títulos do Tesouro são considerados investimentos de baixo risco.
  2. Certificados de Depósito Bancário (CDB): Títulos emitidos por bancos para captar recursos. Os CDBs podem oferecer rendimentos pré ou pós-fixados, com taxas que variam de acordo com o emissor e o prazo de aplicação.
  3. LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio): São títulos de renda fixa isentos de imposto de renda e emitidos por instituições financeiras para financiar o setor imobiliário (LCI) ou o agronegócio (LCA). Geralmente, oferecem retornos competitivos e baixo risco.
  4. Fundos de Renda Fixa: São fundos de investimento que aplicam em diversos ativos de renda fixa, como títulos públicos, CDBs e debêntures. Os rendimentos dependem da gestão do fundo e das condições do mercado.

Em todas elas os rendimentos anuais têm rendido, em média 6% ano, portanto, a pergunta que os investidores devem fazer é: “Se eu investir R$ 12.680,00 em uma aplicação que rende 6% ao ano, que valor terei quando a aplicação completar 25 anos?”

Para calcular o valor restante após 25 anos, investindo R$ 12.680,00 a uma taxa de juros de 6% ao ano, podemos usar a fórmula de juros compostos:

A=P×(1+r)nA=P×(1+r)n

Onde:

  • AA é o montante total após o período de tempo,
  • PP é o principal (ou seja, o valor inicial investido),
  • r é a taxa de juros (em formato decimal),
  • n é o número de períodos de capitalização.

Neste caso, temos:

  • P=R$12.680,00P=R$12.680,00
  • r=6%=0,06r=6%=0,06
  • n=25n=25 anos

Substituindo na fórmula:

A=12.680,00×(1+0,06)25A=12.680,00×(1+0,06)25

A=12.680,00×(1,06)25A=12.680,00×(1,06)25

A≈12.680,00×4,177248A≈12.680,00×4,177248

A≈R$52.928,67A≈R$52.928,67

Portanto, após 25 anos, o investidor teria aproximadamente R$ 52.928,67 na aplicação, considerando uma taxa de juros composta de 6% ao ano. Ou seja, valor bem inferior ao montante da economia obtida com o sistema fotovoltaico instalado: R$ 99.000,00 como mostramos anteriormente.

Economizando com a conta de luz e usando a poupança

Quem gosta de economizar pode fazer um upgrade nessas contas! Após o pagamento do investimento inicial na compra do sistema fotovoltaico residencial (pay-back), o consumidor tem a possibilidade de guardar, todo o mês, o valor que ele economiza na conta de luz. Quer dizer, se gastava R$400,00 e passou a gastar R$70,00, economizou R$330,00 por mês. Este valor pode ser investido, mensalmente, na poupança ou nas aplicações de renda fixa. Nesse caso o rendimento final será bem maior já que ele irá contar com os juros da sua aplicação sobre o montante final.

Essa simulação não levou em consideração os aumentos frequentes na conta de luz e também as bandeiras tarifárias. Considerando estes dois fatores, a economia é ainda muito maior!

Artigos relacionados

Cuidados com os Efeitos Nocivos do Sol aos Trabalhadores que Atuam em Instalações Externas

Na exposição ideal o sol é um dos grandes responsáveis por estimular a produção de vitamina D no organismo. Além disso, também contribui para a regulação do humor, manejo do estresse, melhoria do sono, redução da pressão arterial e eliminação de alguns tipos de fungos, bactérias e ácaros. O problema ocorre quando há excesso de…

Ver Mais

Estruturas de Solo para Sistemas Fotovoltaicos – conheça as vantagens de cada uma delas

Os sistemas fotovoltaicos estão se tornando cada vez mais populares devido à sua capacidade de gerar energia limpa e sustentável. Uma parte crucial desses sistemas é a escolha da estrutura de fixação, que pode ser instalada no solo. Neste blog, vamos explorar as vantagens das estruturas de solo para sistemas fotovoltaicos, tanto on-grid quanto off-grid.…

Ver Mais

Por que a Energia Limpa e acessível é tão importante para o Brasil?

O Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 deste mês de junho, foi criado exatamente para levar as pessoas a refletirem sobre a relação da humanidade com o planeta. Em 2023, as fontes limpas cresceram 50% em todo o mundo, segundo relatório da Standard & Poor’s Global Commodity Insights   O Brasil é…

Ver Mais

Entenda o que muda no Mercado Livre de Energia

Solução concorre com a instalação de energia solar fotovoltaica em alguns setores e a complementa em outros. Ganha impulso este ano com portaria que autoriza a participação de empresas com consumos inferiores a 500 quilowatts (kW). O Mercado Livre de Energia é o termo popular para o chamado Ambiente de Contratação Livre (ACL), onde fornecedores e…

Ver Mais